ÁUDIO REVELA QUE AEROPORTO DE CLÁUDIO ERA MESMO DE AÉCIO

Padrão

As gravações da Polícia Federal trazem mais uma confirmação humilhante para o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG); de acordo com os grampos, o aeroporto de Cláudio (MG), construído com dinheiro público na sua gestão, servia para atendê-lo e a chave ficava com seu segurança; a informação veio em uma conversa interceptada de Frederico Pacheco de Medeiros, primo de Aécio, o mesmo indicado pelo tucano para receber R$ 2 milhões, solicitados pelo tucano ao empresário Joesley Batista, da JBS; o aeroporto de Cláudio foi construído em uma área que pertencia a um tio-avô de Aécio; a obra foi concluída em 2010, a um custo de R$ 13,9 milhões; a pista fica próxima a uma fazenda da família..

As gravações da Polícia Federal trazem mais uma confirmação humilhante para o senador Aécio Neves (PSDB-MG), que se licenciou da presidência do PSDB e já foi afastado do cargo de senador pelo Supremo Tribunal Federal.

De acordo com grampos da operação controlada da Polícia Federal deflagrada na semana passada, o aeroporto de Cláudio, em Minas Gerais, construído com dinheiro público durante a gestão de Aécio, servia para atender a família do tucano e a chave ficava com seu segurança, informa reportagem de Fábio Leite.

A informação veio em uma conversa interceptada de Frederico Pacheco de Medeiros, primo de Aécio, o mesmo indicado pelo tucano para receber R$ 2 milhões solicitados pelo senador ao empresário Joesley Batista, da JBS, segundo ele para pagar despesas do advogado no âmbito da Lava Jato.

O aeroporto de Cláudio foi construído em uma área que pertencia a um tio-avô de Aécio. A obra teve início durante sua gestão e foi concluída em 2010, a um custo de R$ 13,9 milhões. A pista fica próxima a uma fazenda da família Neves.

Confira o diálogo de Fred:

“Se o Duda tá descendo no avião alguém vai abrir o portão pra ele ou não?”, pergunta o interlocutor não identificado. “Sim, já deve ter aberto… ele já deve ter saído e já deve ter fechado”, responde Fred. “E quem que é essa bênção de pessoa?, continua o interlocutor. “Deve ser o segurança do Aécio”, diz Fred. “Ah, ele tem a chave?”, insiste o interlocutor. “Deve ter.. tô imaginando na condição de alguém for lá abri-lo…Eu não sei nem se vai, mas deve…Passa lá na porta”, conclui Fred.

Anúncios

VEJA A GRAVIDADE DOS DIÁLOGOS ESTARRECEDOR ENVOLVENDO TEMER, AÉCIO, PROCURADORES E ATÉ DOIS JUÍSES

Padrão

O vídeo mostrar trechos da conversa estarrecedora entre Michel Temer e o empresário Joesley Batista, um dos donos da empresa JBS.

 

Diálogo esse que abalou o núcleo de um governo já desgastado. São trechos de uma conversa feita na calada da noite, fora dos horários habituais e registrados, dentro do palácio do jaburu, residência oficial de temer. O diálogo passa por compra do silêncio de Eduardo Cunha… Obstrução de justiça… Compra de dois juízes… Vazamento de informação confidencial da força tarefa por procurador, entre tantos outros gravíssimos assuntos.

E o pior: Michel Temer, por diversas vezes, concorda com o empresário. Nós vamos acompanhar agora um trecho da conversa que traz detalhes sobre Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima, ex-ministro da secretaria de governo. O áudio teve o sigilo liberado no início da noite de ontem. Acompanhe.

Agora: Senadores de oposição entram com representação pela cassação do Senador Aécio.

Padrão

Agora no Senado, opositores ao governo entraram com uma representação que pede a cassação do então senador Aécio Neves do PSDB.

Pego nas gravações feita pela Polícia Federal onde aparece conversa em que o senador pede 2 milhões de reais para pagar advogados

UM CONGRESSO CHEIO DE PRIVILÉGIOS NÃO TEM AUTORIDADE PARA CORTAR DIREITOS DOS TRABALHADORES

Padrão

Deputados, Senadores e Juízes com dois, três meses de férias, duas horas diárias para fazer as suas refeições, defendendo o parcelamento dos 30 dias de férias dos trabalhadores e a redução do tempo de almoço para 30 minutos

Além do mais,dívidas bilionárias de bancos e empresários recebendo perdão enquanto o direito de aposentadoria é extinto; parlamentares que possuem a prerrogativa de definir os próprios salários e benefícios posicionando-se pelo fim do papel mediador da Justiça do Trabalho e pela prevalência do negociado sobre o legislado, aumentando a vulnerabilidade dos trabalhadores e fortalecendo os patrões. Cenas corriqueiras em um Congresso Nacional que se transformou na casa do patronato e das federações empresariais

Urgente! Senadora cria Projeto de Lei que prevê demissão de servidores concursados em todo o país!

Padrão

maria do carmo alves-minFuncionalismo terá que obrigatoriamente passar por um teste a cada seis meses. Quem não alcançar as notas estabelecidas no novo regulamento será mandado embora. Na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), medida deve receber decisão terminativa: se aprovada, não precisará ser votada em Plenário e poderá seguir para a Câmara dos Deputados.

A senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE) apresentou o Projeto de Lei nº 116/2017, que prevê a demissão de servidores públicos concursados, inclusive dos que já passaram e foram aprovados em  estágio probatório. Segundo o Artigo 1º: “Subordinam-se ao regime desta Lei Complementar todos os órgãos e entidades da Administração Pública direta, autárquica e fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.” 

Notícia sobre o tema foi publicada ontem (11), na Agência Senado. Maria do Carmo Alves é da base aliada do Temer (PMDB) e votou pelo afastamento da presidenta Dilma Rousseff (PT), sob a alegação de que era preciso criar “um novo Brasil”. (Ver vídeo ao final).

Pelo projeto da senadora, os servidores públicos do país terão que passar, semestralmente, por uma “avaliação de desempenho”. Todos os que receberem notas inferiores a 30% em quatro avaliações consecutivas perderão seus cargos, independentemente de se são concursados e estáveis ou não. Também perderá o cargo aquele que tiver desempenho inferior a 50% em cinco das últimas dez avaliações. Detalhe: o chefe imediato do servidor, indicado politicamente, inclusive sem concurso público, é que fará a tal “avaliação”.